Direitos da personalidade: delimitação do tema e denominação

Direitos da personalidade: delimitação do tema e denominação

Sílvia Mota a Poeta e Escritora do Amor e da Paz


O ser humano, em suas relações com os demais indivíduos, desfruta de vários direitos que lhe garantem a defesa de valores básicos, reconhecidos por sua própria condição de pessoa humana tomada em si mesma (direitos individuais) e em suas projeções na sociedade (direitos sociais). São estes, os direitos da personalidade.

Admitem-se neste caminho direitos físicos, psíquicos e morais, que por sua vez protegem, respectivamente, os aspectos externos e internos da personalidade humana e sua projeção na sociedade, sob os aspectos individuais e sociais. São direitos reconhecidos em defesa de valores inatos ao homem, como a vida, a liberdade, a integridade física, a honra, a intimidade, entre outros.

Embora hodiernamente consagrados pela lei, doutrina e jurisprudência, seu progresso foi conquistado a duras penas, inçado por dificuldades de caráter ideológico, chegando determinados autores a negar-lhes mesmo a existência, com base na idéia de que, havendo direitos do homem sobre a própria pessoa, justificar-se-ia o suicídio.

Rubens Limongi França (1999, p. 936) critica o “extremismo em que descambam”, pois esta afirmação importa em “fazer tábua rasa da própria finalidade do Direito” que existe para permitir à pessoa “seja aquinhoada segundo a justiça com os bens necessários à consecução dos seus fins naturais. Ora, o extermínio da vida pelo suicídio é a própria negação disso, é a coarctação da causa final do Direito.”

Sua própria denominação é também polêmica. A expressão bens essenciais da personalidade é defendida e utilizada pelos doutrinadores jurídicos, às vezes, precariamente, mas reconhecendo, na sua maioria, a expressão direitos da personalidade, em nível nacional[1] e internacional[2]. O Código Civil espanhol somente alude a esta denominação no art. 162[3], reformado pela Lei de 13 de maio de 1981. É a partir da Lei nº 1 de 5 de maio de 1982, a qual dedicará uma detalhada explicação posteriormente, donde se alude expressamente em seu preâmbulo aos “direitos da personalidade”.

No Brasil, a relevância dos direitos da personalidade alcança tamanho grau que os levam à proteção constitucional, como se pode constatar no art. 5oda Constituição da República Federativa brasileira de 1988:

Art. 5o[...]

III. ninguém será submetido à tortura nem a tratamento desumano ou degradante;

IV. é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato;

VI. é inviolável a liberdade de consciência e de crença, sendo assegurado o livre exercício dos cultos religiosos e garantida, na forma da lei, a proteção aos locais de culto e suas liturgias;

X. são invioláveis a intimidade, a vida privada, a honra e a imagem das pessoas, assegurado o direito à indenização pelo dano material ou moral decorrente de sua violação;

XII. é livre o exercício de qualquer trabalho, ofício ou profissão, atendidas as qualificações profissionais que a lei estabelecer;

XV. é livre a locomoção no território nacional em tempo de paz, podendo qualquer pessoa, nos termos da lei, nele entrar, permanecer ou dele sair com seus bens;

XVI. é plena a liberdade de associação para fins lícitos, vedada a de caráter paramilitar;

XLIX. é assegurado aos presos o respeito à integridade física e moral;

LIV. ninguém será privado da liberdade ou de seus bens sem o devido processo legal;

LXV. a prisão ilegal será imediatamente relaxada pela autoridade judiciária [...]

 

Além disto, a questão fustiga a polêmica em torno dos artigos constantes do Capítulo I: Da Personalidade e da Capacidade, acoplado ao Título I: Das Pessoas Naturais, do Livro I: Das Pessoas, do Novo Código Civil brasileiro. O art. 2º do Código Civil, ao anunciar que a personalidade, a pessoa, começa com o nascimento com vida, assegura os direitos do nascituro desde a concepção. Entretanto, conforme a elaboração doutrinal e jurisprudencial posterior, foi-se acentuando a idéia do reconhecimento e proteção de certos atributos jurídicos inerentes ao homem, chamados direitos da personalidade em sentido estrito, próprios à pessoa natural, com extensão aos nascituros.[4]



[1] Veja-se, por todos: DINIZ, 2002, v. 1, p. 117-136; GOMES, 2000, p. 141-164; MONTEIRO, 2003, v. 1, p. 96-99; RODRIGUES, 2002, v. 1, p. 61-75; PEREIRA, 2000, v. I, p. 141-160.

[2] Veja-se, por todos: DE CUPIS, 1961. 337 p.;BORDA, 1976, p. 175-178; LACRUZ BERDEJO, 2000, v. 2, p. 35-36.

[3] O art. 162 do Código Civil espanhol, no que se refere ao tema em discussão, dispõe: “Los padres que ostenten la patria potestad tienen la representación legal de sus hijos menores no emancipados. Se exceptúan: 1º. Los actos relativos a derechos de la personalidad u otros que el hijo, de acuerdo con las Leyes y con sus condiciones de madurez, pueda realizar por sí mismo”.

[4] O juiz do Segundo Tribunal de Alçada Cível de São Paulo, Euclides de Oliveira estende ao nascituro a aplicação dos direitos da personalidade (OLIVEIRA, 1998, p. 30-31). Também: ALMEIDA, 1983. 370 p.

Exibições: 17

Comentar

Você precisa ser um membro de CENPESJUR para adicionar comentários!

Entrar em CENPESJUR

Orientações formuladas pela Professora Sílvia Mota

Membros

Aniversários

Não há aniversários hoje

Últimas atividades

Sílvia Mota postou discussões
14 Set, 2016
Sílvia Mota postou uma discussão

SITES JURIDICOS DIVERSOS

1 LEGISLAÇÃO ON-LINE AMATRA X:…Ver mais...
9 Set, 2016
Sílvia Mota postou discussões
4 Set, 2016
Sílvia Mota postou discussões
1 Set, 2016
Ícone do perfilCENPESJUR tem agora aniversários
1 Set, 2016
Sílvia Mota respondeu à discussão JURISPRUDENCIA - DEFESA AO DIREITO DO CONSUMIDOR de Sílvia Mota
"01/09/2016 - 15:43 | Fonte: TJDFT Consumidora encontra larvas em bombom e deverá ser…"
1 Set, 2016
Sílvia Mota postou discussões
31 Ago, 2016
Sílvia Mota postou fotos
27 Ago, 2016
Posts no blog por Sílvia Mota

Violência de gênero: a mulher em foco

Violência de gênero: a mulher em focoProfessora Sílvia M. L. MotaPoeta e Escritora do Amor e da…Ver mais...
27 Ago, 2016
Posts no blog por Sílvia Mota

Construções dogmáticas do Direito

CONSTRUÇÕES DOGMÁTICAS DO DIREITO Professora Sílvia Mota Poeta e Ecritora do Amor e da Paz - resumo…Ver mais...
28 Jun, 2016
Sílvia Mota postou um vídeo

Juízo (Jovens infratores no Brasil) - Documentário de Maria Augusta Ramos.

Lista de reprodução "Documentários, entrevistas..." do canal YouTube CarlosAlbertoDidier. Documentário "Juízo" (2007), de Maria Augusta Ramos, que projeta um...
8 Jun, 2015
Sílvia Mota postou discussões
15 Mar, 2015
Posts no blog por Sílvia Mota
24 Nov, 2014
Posts no blog por Sílvia Mota
24 Jan, 2014
Posts no blog por Sílvia Mota
21 Jan, 2014
Posts no blog por Sílvia Mota
18 Jan, 2014

A REDE E MÍDIAS SOCIAIS

Sobre a Plataforma Lattes

É possível registrar, na Plataforma Lattes, os textos científicos publicados na Rede CENPESJUR.

Quando se realiza o login na Plataforma Lattes, do lado direito da tela aparece uma janela com a pergunta: "O que você quer registrar?" com a listagem dos tipos de publicações a serem registradas. Entre essas, consta: "Redes Sociais, Websites, Blogs", onde o autor deverá clicar. A partir daí abrirá uma janela, na qual se realizará o registro. É necessário preencher todos os espaços.
Conteúdo da Rede

Resenhas, Artigos, Monografias, Dissertações e Teses abordando temas de ponta do mundo jurídico; palestras, resumos, apostilas, entre outras informações ligadas à inquietação intelectual de caráter jurídico. Para além disso, expõe-se orientações metodológicas, regras da ABNT interpretadas e exemplificadas, bibliografias temáticas e sites relacionados a cada área.

Mídias Sociais

Eventos

Belas Letras Belas - ATIVIDADES

© 2020   Criado por Sílvia Mota.   Ativado por

Relatar um incidente  |  Termos de serviço

hospedagem de sites
hospedagem de sites
*****************************************